Tecnologia

Startup cearense “Conta Médica” revoluciona contabilidade para médicos

Nos últimos dois anos a indústria das Fintechs (startups que desenvolvem produtos financeiros totalmente digitais) no Brasil cresceu de forma acelerada. Um estudo realizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) apontou que em 2018 o Brasil já se posicionava como o país da América Latina com o maior número de fintechs, cerca de 380.

De acordo com o Fintech Mining Report, estudo realizado pela Distrito Dataminer, esse número saltou para 553 fintechs em 2019, um aumento de 45% em relação ao ano passado, e esse número tende a crescer bastante nos próximos anos, tendo em vista o alto investimento no setor realizado por empresas nacionais e internacionais, que já ultrapassa R$1 bilhão por ano.

Uma particularidade do ambiente das fintechs brasileiras é que, das 553 empresas mapeadas, 115 focam em serviços de meios de pagamento, 87 em crédito e 66 em backoffice – que envolve serviços de gestão financeira e contabilidade. O restante das empresas está dividido entre as categorias de risco e compliance, criptomoedas, investimentos, finanças pessoais, entre outros.

As fintechs proporcionarem um conceito novo e moderno de gestão, e trazem uma série de benefícios em relação aos meios tradicionais.

Entre as vantagens do setor estão a redução considerável de custos operacionais, a desburocratização de processos, a eficiência no atendimento, a flexibilidade no controle dos serviços através de plataformas digitais e o desenvolvimento de soluções personalizadas de acordo com as necessidades dos clientes.

No Ceará, uma das fintechs que se destacam é a Conta Médica, empresa fundada em 2018, com DNA 100% cearense, e que tem como propósito solucionar dois dos problemas mais recorrentes na gestão financeira e contábil para médicos: a grande burocracia causada pela complexidade tributária e o controle dos procedimentos realizados pelo profissional.

“A Conta Médica é uma fintech diferente, pois já nasce surfando em um segundo movimento da onda das fintechs: a da super segmentação. Aproveitamos esse boom do mercado para abrir uma atuação específica focada em saúde. Com a preocupação de solidificar uma organização financeira os médicos estão buscando alternativas de serviços personalizadas. Sustentamos nossa solução em três pilares: comodidade, transparência e segurança. Entregamos uma contabilidade totalmente digital e o controle financeiro de uma forma simples e prática, na linguagem e no tempo do médico. Fazemos toda a cobrança e o faturamento, e sinalizamos tudo pelo nosso aplicativo, por meio de chat e notificações”, afirma José Castelo Neto, CEO da Conta Médica.

Em dois anos de operação exclusiva para médicos, a fintech cearense já geriu uma carteira de mais de R$10 milhões em honorários e atende médicos de diversos estados brasileiros.