Janguiê Diniz – Mestre e Doutor em Direito – Fundador e Presidente do Conselho de Administração do grupo Ser Educacional – janguie@sereducacional.com
Janguiê Diniz – Mestre e Doutor em Direito – Fundador e Presidente do Conselho de Administração do grupo Ser Educacional – janguie@sereducacional.com
Colunas

Ser empreendedor é…

Janguiê Diniz – Fundador e Presidente do Conselho de Administração do grupo Ser Educacional

O século 21 trouxe diversas e profundas mudanças em estruturas e instituições da sociedade no mundo todo. A revolução digital, transformações sociais e políticas, mudanças nas relações de consumo e trabalho. O mundo já não é o mesmo de 20 anos atrás. Nesse contexto, uma figura que tem ganhado destaque e recebido atenção é a do empreendedor, que não surgiu agora, mas tem sido mais falada do que nunca. O termo, no entanto, ainda não é muito conhecido por muita gente.

Se abrirmos qualquer dicionário, vamos constatar que empreendedor é aquele que faz, que executa, que realiza, que cria, enfim, que empreende e gera recursos e riqueza para uma nação. Também é considerado empreendedor aquele que se aventura na realização de coisas difíceis ou fora do comum.

Raymond Kao frisa que empreender consiste em fazer algo novo, criativo, diferente e inovador com o objetivo de criar riqueza para o indivíduo e adicionar valor para a sociedade. Já Peter Drucker enfatiza que o termo “entrepreneur” é de origem francesa e é usado para se referir à pessoa que, em seu benefício, assume riscos na criação de um produto ou serviço qualquer ou aquele que se lança à realização. Para ele, qualquer indivíduo que tenha à frente uma decisão a tomar pode aprender a ser um empreendedor e se comportar como tal. Segundo o escritor, o empreendimento é um comportamento, não um traço de personalidade. Suas bases são o conceito e a teoria, e não a intuição ou a imaginação. Por outro lado, Robert Hisrich assinala que o empreendedorismo consiste no processo de criar algo diferente e com valor, dedicando-se tempo e esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes e recebendo as consequentes recompensas da satisfação econômica e pessoal.

Eu, pessoalmente, prefiro dizer que o empreendedor é aquele indivíduo que apresenta certas características, habilidades e competências para idealizar, sonhar, ousar, criar e conduzir um negócio com sustentabilidade, perenidade e lucratividade. É um indivíduo que, munido de uma força extraordinária que surge do seu interior, transforma pensamentos em ação e sonhos em realidade, e não desperdiça oportunidades.

A força que tem ganhado o empreendedorismo pode se explicar por diversos fatores. Se pensarmos que, muitas vezes, as pessoas empreendem por necessidade, fica fácil de entender essa ascensão, já que, especialmente no Brasil, economia e mercado de trabalho atravessam tempos difíceis, que forçam muitos a procurarem novas alternativas de renda. Ao mesmo tempo, acredito que tem crescido a consciência de que o emprego formal e tradicional, de oito horas por dia, em uma empresa qualquer, não é a única alternativa e é possível ter sucesso e ser feliz empreendendo em um negócio próprio.

Empreendedorismo não é coisa de outro mundo. Pelo contrário. É coisa de quem quer transformar este mundo, seu próprio mundo e dos que o cercam. É para quem tem coragem, determinação e sonhos. E, principalmente, para quem quer fazer com que esses sonhos saiam do papel e virem realidade.