Colunas

Quando um evento precisa ter equipes médicas?

Com a temporada de Carnaval a todo vapor, diversos eventos movimentam os foliões por todo o Brasil. Para que sua festa ocorra bem e saia tudo dentro do esperado, é recomendável que se tenha uma equipe médica disponível para atender qualquer urgência ou emergência que apareça. Segundo Dr. Valderi Júnior, médico e vice-presidente da Cooperativa de Atendimento Pré e Hospitalar (COAPH), todo evento deveria ter uma equipe básica de atendimento e alguns devem ter prioridade quando o assunto é estrutura médica.

“É importante levar em conta alguns pontos como checar se o evento vai reunir um grupo significativo de pessoas, se existe a possibilidade de ocorrer um eventual acidente e se ocorre em local afastado ou fechado. Tudo isso são fatores que levam um evento a precisar de equipe médica à disposição. Além de que toda essa estrutura de saúde dá credibilidade ao seu evento e passa segurança ao público”, destaca Dr. Valderi Júnior, vice-presidente da COAPH.

Cada estado e município brasileiro conta com uma legislação específica quando o assunto é equipe médica em eventos. Em Fortaleza, por exemplo, quando a estimativa de público for inferior a 5 mil pessoas, os recursos mínimos exigidos são de 1 posto médico com quatro macas, 1 médico, 1 enfermeiro e três técnicos de enfermagem, além de duas ambulâncias. Em São Paulo, as ambulâncias são necessárias para eventos que agrupem um número igual ou superior a 1.500 pessoas.

“O Conselho Regional de Medicina (CRM) precisa estar ciente do número de equipes médicas para fazer a inspeção da instalação antes do evento. Se a empresa que organiza o evento descumprir as normas, ela pode receber punições como advertências, multas e até cassação do alvará para a realização do evento”, diz Dr. Valderi.

Segundo ele, ao contratar uma estrutura médica, é importante levar em conta alguns fatores. “É importante que seja um serviço completo de pronto-socorro móvel, com profissionais capacitados para atendimento de urgência e emergência.  Além disso, a equipe deve estar treinada para situações de risco e diferentes tipos de acidentes, com a possibilidade de levar o paciente a um centro hospitalar ou atendê-lo na base fixa dentro do evento”, afirma Dr. Valderi.