Cultura

Ferréz e Slam das Minas (SP) estão na programação do Sesc na Bienal Internacional do Livro desse sábado (24)

Poesia, periferia, cultura e resistência ganham ainda mais força nesse sábado (24/08), durante a XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará. Na ocasião, o Sesc, por meio do Sistema Fecomércio-CE, vai realizar duas ações voltadas para esses e outros temas, com a participação de escritores, poetas e pesquisadores de destaque no cenário nacional.

A partir das 18h, o Espaço da Juventude vai receber o Slam das Minas (SP), um dos coletivos mais representativos do País, que traz à tona temas como machismo, homofobia e racismo. A batalha, que na Bienal vai ser apresentada por Pam AraújoLuz Ribeiro e Vic Sales, pretende dar voz e vez para histórias de luta e de vida das mulheres das periferias. Dessa forma, poetas do Ceará vão ser convidadas para batalhar e recitar suas próprias poesias,  sendo, assim, um espaço democrático de resistência e empatia. Podem participar do slam mulheres e pessoas trans.

O Slam é uma linguagem artística que chegou ao Brasil em 2008 e, desde 2012, é realizado um campeonato nacional para enviar um representante para a Copa Mundial de Poesia, que acontece todo ano em Paris. Por conta disso, em 2015, surgiu em Brasília o Slam das Minas, com o intuito de garantir uma vaga feminina para a batalha final, uma vez que, assim como os saraus, os slams ainda são espaços de maioria masculina. Depois de encontros e intercâmbios com as articuladoras e poetas do Distrito Federal, decidiu-se criar um braço do Slam das Minas em São Paulo.

Literatura marginal

Após a batalha, às 19h, o romancista, contista, poeta e empreendedor Ferréz participa de um bate-papo sobre a nova literatura marginal e ações culturais da periferia, dentro outros assuntos. A mediação vai ficar por conta de Talles Azigon, poeta, produtor cultural, contador de histórias e fundador da Biblioteca Comunitário Livro Livre Curió, e acontece também no Espaço da Juventude.

Dotado de linguagem influenciada pela variante linguística usada na periferia de São Paulo, Ferréz, nome artístico de Reginaldo Ferreira da Silva, já publicou diversos livros, entre eles “Fortaleza da desilusão”, Capão pecado (2000), Amanhecer Esmeralda (2005), Ninguém É inocente em São Paulo”, “Deus foi almoçar” e “Os ricos também morrem”. É fundador do 1DaSul, grupo interessado em promover eventos e ações culturais na região do Capão Redondo, ligado ao movimento hip-hop, da Ong Interferência, que trabalha com crianças da Zona Sul, e criou também o Selo Povo, editora que já lançou 7 livros.

SERVIÇO – Fecomércio-CE na XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará

Slam das Minas e Ferréz – Programação Sesc

Dia: 24 de agosto

Horário:

Slam das Minas – 18h

Bate-papo Ferréz – 19h

Local: Espaço da Juventude

Entrada gratuita