Saúde

Entidades de médicos de emergência fornecem café da manhã especial para equipes de saúde de diversos hospitais públicos em Fortaleza

Depois de um exaustivo plantão, profissionais da saúde de diversos hospitais públicos, em Fortaleza, que estão na linha de frente da covid-19 são surpreendidos diariamente com um farto café da manhã.

A iniciativa é da Cooperativa dos Médicos Emergencistas do Ceará (CEMERGE) e da Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) que todos os dias disponibilizam a partir das 7 horas da manhã o serviço gratuito e voluntário em quatro unidades de saúde: Hospital Geral de Fortaleza (HGF), Hospital Dr. Calos Alberto Studart Gomes e duas unidades do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

O cardápio variado reúne pães, sucos, café, água, salgados, saladas de frutas e bolos de diversos sabores. Os profissionais recebem também mensagens de apoio, e agradecimento pela dedicação diária.

“Todos os que estão trabalhando nas chamadas “unidades covid” merecem nosso imenso respeito e gratidão, pois não estão sendo plantões normais, é uma verdadeira guerra contra a morte. Seis, doze horas sem beber água ou ir ao banheiro. Não gosto da palavra herói, são apenas profissionais excelentes, comprometidos com seus juramentos de exercer com dignidade e fé as profissões que abraçaram para suas vidas.”, explica Doutor Frederico Arnaud que está na linha de frente do combate à covid-19 e
também é o criador do maior portal de emergência do Brasil, portal Emergência Já, amor para sempre.

O médico emergencista, fundador e coordenador da Residência de Medicina de Emergência do Ceará, além de professor de Medicina de Emergência da Universidade de Fortaleza (Unifor) afirma que muitos profissionais não suportaram a rotina e estão saindo da linha de frente.

“Várias instituições de saúde colocaram à disposição um serviço online de apoio psicológico 24 horas para os profissionais de saúde, para tentar ajudar nesse momento. Entretanto, sabemos que o medo ronda nossos pensamentos, muitos profissionais não suportaram e estão saindo da linha de frente. Os que ficam precisam de muito apoio e de estratégias para manter o equilíbrio mental e continuarem na luta. Nossa ação é uma forma de reforço, não só na alimentação e hidratação, mas no sentido demonstrar nossa gratidão. Esses profissionais precisam de respeito, apoio, reconhecimento, valorização e de remunerações compatíveis com as funções desempenhadas”, reforça Doutor Fred, fundador e ex-presidente da Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMED), na gestão 2018-2019.